Você realmente quer sair do site amgen.com.br para um link externo ?

Você agora está deixando o Portal Corporativo da Amgen Brasil. Os links para todos os sites externos são fornecidos como um recurso para os nossos visitantes. Nós recomendamos que você consulte o seu médico para obter informações sobre qualquer medicamento da Amgen.

Você realmente quer sair do site link externo amgen.com.br para um?

Você agora está deixando o Portal Corporativo da Amgen Brasil. Os links para todos os sites externos são fornecidos como um recurso para os nossos visitantes. Nós recomendamos que você consulte o seu médico para obter informações sobre qualquer medicamento da Amgen.

Gastos com osteoporose devem subir para mais de 20 bilhões na América Latina em cinco anos

Os custos com osteoporose na América Latina devem subir para US$ 6,25 bilhões, aproximadamente R$ 20 bilhões, em cinco anos, segundo estudo publicado recentemente pelo Journal of Medical Economics . Os gastos são uma projeção com base no envelhecimento da população e o aumento da incidência da doença no Brasil, Argentina, Colômbia e México. Com a falta de prevenção à doença nesta região, a projeção é que ocorram cerca de 4,5 milhões de fraturas nestes países.

O estudo tem o objetivo de quantificar o ônus econômico atual e o futuro da osteoporose em adultos de 50 a 89 anos, nestes quatro países latino-americanos. Fraturas consequentes por osteoporose causam um grande problema à sociedade. As fraturas de quadril são as mais graves, já que quase sempre resultam em hospitalização. Em geral, no primeiro ano depois da fratura de quadril, cerca de 10% a 20% dos pacientes tornam-se incapacitados, 15% a 40% são institucionalizado e 20% a 35% morrem . As taxas de fratura aumentam rapidamente com a idade e o risco de fratura ao longo da vida em mulheres de 50 anos é de cerca de 40% , semelhante ao da doença coronariana.

A atenção à doença nestes países está relacionada ao número de idosos na América Latina, que deve dobrar nas próximas décadas, consequentemente aumentando a incidência de fraturas correspondentes à osteoporose. “Neste cenário, a necessidade de tomadas de decisões para a prevenção da doença é urgente. Atualmente, pacientes não reconhecem a osteoporose como uma doença crônica e acabam tendo fraturas sem obter o diagnóstico e sem acompanhamento adequado, onerando todos os sistemas de saúde”, explica Ben-Hur Albergaria, professor de epidemiologia clínica da Faculdade Federal do Espirito Santo e pesquisador do Centro de Pesquisa em Osteoporose do Espirito Santo (CEDOES).

O estudo trouxe projeções e motivos dos gastos de osteoporose crescerem ao longo dos anos devido ao envelhecimento da população. A América Latina se prepara para a longevidade da sociedade e enfrenta desafios para fortalecer o sistema de saúde. Com a doença negligenciada, pacientes com fraturas teriam múltiplas consequências sociais e econômicas junto ao sistema de saúde. No Brasil, a maior parte dos custos é atribuída à perda de produtividade da população com a condição (62%), seguida dos custos com hospitalização (19%). O custo médio gasto por 1.000 pessoas em risco nos quatro países latino-americanos foi de US$ 15.906, sendo que, ao ajustar a população em risco, o Brasil tem um custo de US$ 6.130 por pessoa, aproximadamente R$ 25 mil.

Saindo do âmbito dos números para a realidade brasileira, é possível mudar esse cenário, uma vez que no Brasil já existe uma variedade de tratamentos para a osteoporose. A questão é que a doença precisa estar presente na atenção primaria à saúde. “Para controlar e prevenir essas fraturas, o sistema deve trabalhar em diversas frentes, entre elas a identificação de indivíduos com alto risco de fratura e a melhora dos protocolos de diretrizes terapêuticas. É necessário se esforçar para fomentar uma rede de prevenção que, a longo prazo, diminuirá o custo financeiro da doença e, principalmente, trará qualidade de vida para uma população que está entrando em uma curva de envelhecimento”, pontua o especialista.

Sobre a Amgen

A Amgen está comprometida em liberar o potencial da biologia para pacientes que sofrem com doenças graves ao descobrir, desenvolver e produzir medicamentos inovadores. Esta abordagem começa ao utilizar ferramentas como genética humana avançada para desvendar as complexidades da doença e entender os fundamentos da biologia humana. A Amgen se concentra em áreas de necessidade médica não atendidas, potencializado a sua experiência na fabricação de produtos biológicos para buscar soluções que melhorem a saúde e a vida das pessoas. Fundada nos Estados Unidos em 1980, a Amgen tornou-se a maior empresa de biotecnologia no mundo, com milhões de pacientes atendidos e com um pipeline de medicamentos com potencial revolucionário em desenvolvimento. Este ano a empresa completa 10 anos no Brasil e está em constante expansão no país, oferecendo um portfólio robusto nas áreas de oncologia, hematologia, doenças ósseas, doenças cardiovasculares e nefrologia.

Para mais informações, visite http://www.amgen.com.br/

  1. Rima Aziziyeh, Mo Amin, Mohdhar Habib, Javier Garcia Perlaza, Kirk Szafranski, Rebecca K. McTavish, Tim Disher, Ana Lüdke e Chris Cameron (2019) O ônus da osteoporose em quatro países latino-americanos: Brasil, México, Colômbia e Argentina , Journal of Medical Economics, 22: 7, 638-644, DOI: 10.1080 / 13696998.2019.1590843
  2. PINHEIRO, Marcelo de Medeiros. Mortalidade pós fratura por osteoporose. Arq Bras Endocrinol Metab [online]. 2008, vol.52, n.7 [citado em 2019-08-05], pp. 1071-1072. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302008000700001&lng=en&nrm=iso. ISSN 1677-9487. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302008000700001
  3. RADOMINSKI, SC et al. Osteoporose em mulheres na pós-menopausa. Rev. Bras. Reumatol. [online]. 2004, vol.44, n.6 [cited 2019-08-05], pp.426-434. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0482-50042004000600006&lng=en&nrm=iso. ISSN 0482-5004.http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042004000600006